RSS

Arquivo mensal: agosto 2014

FBN I Dia Mundial da Fotografia, 19 de agosto

blogdabn

icon326231_06

O Dia Mundial da Fotografia, 19 de agosto, corresponde à apresentação formal da daguerreotipia na França em 1839.

A Fundação Biblioteca Nacional homenageia todos os profissionais ligados a Fotografia lembrando que seu o acervo iconográfico armazena e preserva o maior patrimônio de imagens do país, reunindo desde desenhos, caricaturas, gravuras e fotografias – muitos deles considerados obras de arte – até livros relacionados às artes visuais.

Também integram o acervo peças chamadas de ‘efêmeras’, que incluem recortes de jornais e revistas, cartazes, cartões postais e calendários.

Merecem destaque as fotografias da Coleção Thereza Christina Maria, doada por D. Pedro II à Biblioteca Nacional, que formam o primeiro conjunto documental do Brasil inscrito no Registro Internacional da Memória do Mundo da UNESCO. A coleção contém aproximadamente 23 mil fotografias que pertenciam ao próprio Imperador e está disponível na Biblioteca Nacional Digital em: http://bndigital.bn.br/dossies/colecao-d-thereza-christina-maria-albuns-fotograficos/

Ver o post original

Anúncios
 
 

Dia Nacional do Historiador

blogdabn

joaquim nabuco

A Fundação Biblioteca Nacional parabeniza todos os Historiadores brasileiros.

O dia 19 de agosto foi estabelecido como o Dia Nacional do Historiador em 2009 pela lei nº 12.130. A data foi escolhida para homenagear o nascimento de Joaquim Nabuco – 19/08/1849.

Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo, escritor e diplomata, nasceu em Recife, em 19 de agosto de 1849, faleceu em 17 de janeiro de 1910. Participou ativamente da instalação da Academia Brasileira de Letras, onde ocupou a Cadeira nº 27.

Estudou humanidades no Colégio Pedro II, bacharelando-se em letras. Em 1865, seguiu para São Paulo, onde fez os três primeiros anos de Direito e formou-se no Recife, em 1870. Foi adido de primeira classe em Londres, depois em Washington, de 1876 a 1879.

Foi eleito deputado geral por sua província e sua entrada para a Câmara marcou o início da campanha em favor do Abolicionismo, que logo se tornou…

Ver o post original 99 mais palavras

 
 

Documento 512 – “O mapa de uma Cidade Perdida”

blogdabn

A Fundação Biblioteca Nacional, guarda um documento manuscrito, datado de 1754, identificado como “Documento 512” – um mapa de uma “Cidade Perdida”.

O Manuscrito é  considerado o único mapa conhecido de uma cidade perdida no centro do Brasil e sua existência vem, ao longo dos anos, motivando inúmeras pesquisas. 

Desde o tempo dos bandeirantes, o teor do documento desperta interesse de aventureiros, sertanistas, cientistas, historiadores e pesquisadores das mais diversas nacionalidades em busca da localização da “cidade perdida”.

Entre os pesquisadores de renome destacam-se Sir Richard F. Burton, inglês, que publicou a obra Highlands of the Brazil, em 1869; e o coronel Percy Harrison Fawcett, explorador inglês, que desapareceu durante uma das expedições ao interior do ´Brasil, fato que desencadeou nos idos de 1950 uma “febre de expedições” para localizá-lo.

A existência do Documento 512 e as histórias sobre a “Cidade Perdida” geraram artigos, filmes e romances, tais como: As…

Ver o post original 97 mais palavras

 
 

Manuscrito 2437: O Manuscrito Grego da Fundação Biblioteca Nacional

blogdabn

manu        Confiado a Fundação Biblioteca Nacional por João Pandiá Calógeras, desde 1912, o Manuscrito Grego, é o mais antigo na América Latina e no acervo da instituição. Datado dos séculos XII-XIII.

A obra consiste em quatro evangelhos do Novo Testamento em grego, língua dominante no mediterrâneo durante a antiguidade, não em latim, como se pensava.

Em 1952, por iniciativa do intelectual norte-americano, Bruce Metzger, o manuscrito foi microfilmado e cedido a ele, pela Biblioteca Nacional. Já sua numeração, 2437 foi atribuída pelo teólogo alemão Kurt Aland, no ano seguinte.

Restaurado em 1996, pela Biblioteca Nacional, o códice é composto por uma série de fascículos costurados em pergaminho minúsculo. Através da codicologia e paliografia, foi possível datar o documento e perceber os estilos da época em que o manuscrito grego foi reproduzido. Curiosamente, a princípio, imaginava-se que o códice pertencesse ao século anterior de sua verdadeira origem, modismo adotado pelo copista.

Ver o post original 140 mais palavras

 
 
 
%d blogueiros gostam disto: