RSS

Arquivo do autor:Lanchinho da Meia-Noite

Sobre Lanchinho da Meia-Noite

Descrição: Não sei se tenho falta de foco ou excesso de interesses. Minha sobrinha mais velha disse que tenho superávit de atenção. Gosto de cinema, de cozinhar, adoro ler. E este blog terá um pouco de tudo. Sou historiadora e escritora iniciante, e no momento esta faceta é a que mais tem se manifestado em minha vida. Acabei de escrever um livro de 340 páginas e pretendo organizar as idéias para duas continuações. A trama central do "Lanchinho da Meia-Noite" será sobre esse processo da escrita. Curiosos para saber o porquê do nome? Aguardem para ler.

Documentos Literários | Fotos, política e cartas de amor: o Inventário Tobias Monteiro

blogdabn

A Série Documentos Literários, colaboração da Divisão de Manuscritos, apresenta o Inventário Analítico do Arquivo Tobias Monteiro, no qual são disponibilizados os registros de um dos mais importantes conjuntos documentais sob a guarda da Biblioteca Nacional.

Tobias Monteiro (Natal, 1866 – Petrópolis, 1952) foi um dos maiores historiadores brasileiros, além de político – foi senador pelo Rio Grande do Norte — e jornalista. Segundo José Murilo de Carvalho, foi seu trabalho de pesquisa, recolhendo depoimentos sobre a situação financeira do país, que fez Monteiro se interessar por História do Brasil. O arquivo inclui muitos documentos que serviram de base a seus livros sobre a Regência e o Segundo Reinado, além de outros produzidos pelo Barão de Penedo (que tratam de importantes questões políticas, como a Questão Christie, e religiosas, como o conflito do governo brasileiro com os bispos) e os arquivos do Duque de Caxias, do Marquês de Olinda e…

Ver o post original 87 mais palavras

 
 

Documentos Literários |Exames Censórios do Conservatório Dramático

blogdabn

A Série Documentos Literários, contribuição da Divisão de Manuscritos, apresenta o Inventário Analítico da coleção de exames censórios do Conservatório Dramático Brasileiro.

conservatorio

O Conservatório existiu entre 1843 e 1864, como uma associação cujo objetivo era zelar pela qualidade (e pela moral e bons costumes) do que se apresentava nos palcos brasileiros. Entre seus pareceristas estava Machado de Assis, cujas apreciações foram reunidas num livro, também integrante da coleção. Era um crítico rigoroso, especialmente quando se tratava de uma produção escrita originalmente em português, pois, segundo afirmou num parecer,

Esta qualidade impõe à crítica mais severidade do que a costumada. Sou dos que pensam que a análise deve ser mais minuciosa, e porventura mais rigorosa com as composições nacionais. Só por este modo pode a reflexão instruir a inspiração.

Além dos pareceres, a coleção inclui correspondência, atas, relatórios e outros documentos, constituindo-se num precioso conjunto para quem se dispõe a estudar…

Ver o post original 88 mais palavras

 
 

Documentos Literários | Um Depoimento de Carlos Drummond de Andrade

blogdabn

A Série Documentos Literários, colaboração da Divisão de Manuscritos, homenageia Carlos Drummond de Andrade no aniversário de sua morte.

Contista, cronista e sobretudo poeta, Drummond (Itabira, 31 de outubro de 1902 – Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) iniciou sua carreira literária divulgando o Modernismo, que influenciou, principalmente, seus primeiros trabalhos. Alguns estudiosos, contudo, não o consideram modernista, embora se aproxime dessa corrente tanto em estilo quanto nos temas abordados, frequentemente ligados ao cotidiano. Muitos de seus poemas traduzem inquietações frente ao mundo e ao desenrolar dos fatos: a guerra, a pobreza, a morte, a solidão.

Carlos Drummond de Andrade foi autor de dezenas de livros e coletâneas de prosa e poesia, tais como “A Rosa do Povo” (1945), “Contos de Aprendiz” (1951), “Boitempo” (1968) e “Amar se Aprende Amando” (1985), bem como de alguns livros infantis. Também exerceu a carreira de funcionário público durante a maior parte…

Ver o post original 152 mais palavras

 
 

Documentos Literários | Aniversário de Gonçalves Dias

blogdabn

A Série Documentos Literários, colaboração da Divisão de Manuscritos, homenageia o escritor Gonçalves Dias em seu aniversário.

Filho de um comerciante português e uma descendente de negros e indígenas, Antônio Gonçalves Dias (Caxias, MA, 10 de agosto de 1823 – Guimarães, MA, 3 de novembro de 1864) se formou em Direito na Universidade de Coimbra e participou de importantes grupos de estudos literários e historiográficos portugueses. Regressou ao Brasil em 1845, mas, antes disso, escreveu “Canção do Exílio”, o poema pelo qual se tornaria mais conhecido e que é considerado uma das primeiras manifestações do Romantismo brasileiro.

De volta à pátria, começou a lecionar no Colégio Pedro II e a atuar como jornalista — em 1849 foi um dos fundadores da revista “Guanabara”. Continuou a escrever poemas, alguns dos quais se tornaram famosos, como os poemas indigenistas “I-Juca Pirama”, publicado na obra “Últimos Cantos”, e “Os Timbiras”, publicado em 1857…

Ver o post original 190 mais palavras

 
 

Documentos Literários | 3 de agosto – fim da tortura e da censura no Brasil

blogdabn

No dia 3 de agosto de 1988, a Assembleia Nacional Constituinte repudiou os excessos dos governos militares, inserindo na nova Constituição – a Constituição Cidadã — artigos que proibiam a tortura e garantiam a liberdade de expressão.

Para lembrar essa data, a Série Documentos Literários, contribuição da Divisão de Manuscritos, apresenta uma carta enviada pela Ed. Civilização Brasileira ao militar e intelectual Nelson Werneck Sodré. Seu autor, possivelmente um dos editores, que assina apenas com uma rubrica, lamenta que o Instituto Nacional do Livro – INL tenha vetado a dedicatória feita a Nelson Werneck Sodré por Martha Antiero, autora do livro “A Rede”. Em sua opinião, isso teria se dado por pressão do Serviço Nacional de Informações, o SNI, ou de outro órgão de controle de informações e publicações criado após o golpe de 1964, uma vez que Nelson Werneck Sodré era considerado “persona non grata” pelo regime.

A…

Ver o post original 19 mais palavras

 
 

Coleção Percival Farquhar

blogdabn

A Coleção Percival Farquhar, custodiada na Divisões de Manuscrito da Fundação Biblioteca Nacional, é composta por 1610 documentos manuscritos, fotografias, plantas, mapas, que cobrem suas atividades empresariais e vida pessoal na primeira metade do século XX.

Farquhar (1864-1953) nasceu na Pensilvânia, nos Estados Unidos, e formou-se engenheiro na Universidade de Yale. Lançou-se no mercado latino-americano, investindo em segmentos empresariais como energia elétrica, bondes e construção de portos e ferrovias. No Brasil, foi pioneiro na construção de linhas férreas e de siderurgias, otimizando o processo de extração de minério de ferro, e ligando a produção siderúrgica ao litoral com vistas à exportação. Entre seus empreendimentos, destacamos a Brazil Railway Company, Cia. Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, Itabira Iron Ore Co., Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia e a Aços Especiais Itabira. Por sua atuação ligada aos investidores e ao mercado internacional, suscitou resistências nacionalistas que marcaram sua trajetória no país.

foot

Percival e Cathya Farquhar…

Ver o post original 332 mais palavras

 
 

Documentos Literários | O Livro Mais Lido no Nordeste

Documentos Literários | O Livro Mais Lido no Nordeste

blogdabn

Em homenagem ao nascimento de John Dee (Londres, 13 de julho de 1527 – Richmond, 1608?), matemático, geógrafo, alquimista e astrólogo que serviu de conselheiro à Rainha Elizabeth I da Inglaterra, a Série Documentos Literários apresenta o Lunário Perpétuo, nome encurtado de uma obra muito popular no Brasil nos séculos XVIII e XIX.

Escrito originalmente em espanhol pelo astrólogo e matemático Jeronimo Cortez, natural de Valencia, o Lunário teve sua primeira edição em 1582, época em que a Astrologia era um campo do saber reconhecido pelos eruditos e amplamente difundido entre a população. Foram muitos os almanaques astrológicos que circularam na Península Ibérica nesse período, contendo informações sobre signos astrológicos e fenômenos astronômicos, mas, principalmente, calendários de festas e dias santos, meteorológicos, de tábuas da maré, lunares – enfim, informações utilíssimas para o dia-a-dia e para atividades como a navegação e a agricultura.

o livro mais lido do ne

A primeira edição portuguesa surgiu em 1703…

Ver o post original 163 mais palavras

 
 
Galeria

FBN | Notas de Lima Barreto sobre a Divulgação de “Policarpo Quaresma”.

blogdabn

Em meio à atual discussão sobre os problemas do mercado editorial, a Série Documentos Literários, colaboração da Divisão de Manuscritos, apresenta um caderno do escritor Lima Barreto, no qual o escritor tomou notas sobre a distribuição e divulgação de seu livro “O Triste Fim de Policarpo Quaresma”.

O romance, que segundo foi um precursor do Modernismo, saiu primeiro em folhetim no Jornal do Commercio, em 1911. Como livro, foi publicado em 1915, às custas do autor, que tomou a si a tarefa de divulgá-lo, fornecendo exemplares a jornalistas e críticos da época. O caderno traz anotações feitas a esse respeito, listando nomes de periódicos e de pessoas como Olavo Bilac, Bastos Tigre e Ruy Barbosa, bem como os endereços de entrega. Também inclui outras notas e um texto que pode ser o rascunho de uma carta, de uma crônica ou simplesmente um desabafo:

“O Polycarpo

Meu livro sahiu há quasi…

Ver o post original 180 mais palavras

 
 
Galeria

FBN | André Rebouças Trata da Propaganda Abolicionista.

blogdabn

A Série Documentos Literários, contribuição da Divisão de Manuscritos, homenageia André Rebouças, um dos maiores nomes do movimento abolicionista no Brasil.
 
Rebouças nasceu em Cachoeira – BA no dia 13 de janeiro de 1838, em meio à revolução popular conhecida como sabinada. Era o mais velho dos sete filhos do advogado autodidata Antônio Pereira Rebouças, que, apesar de todo o preconceito existente na época, tinha prestígio e boa posição social. Em 1846, a família se mudou para o Rio de Janeiro, onde André e seu irmão Antônio estudaram na Escola Politécnica e se tornaram engenheiros militares. Passaram alguns meses na Europa e, ao retornar, passaram a trabalhar para o governo brasileiro, na área de portos e fortificações litorâneas.
Após alguns meses em que serviu como engenheiro na Guerra do Paraguai, André Rebouças voltou para a Corte, onde se dedicou a projetos de modernização do país, contando sempre com a…

Ver o post original 240 mais palavras

 
 
Galeria

FBN |Mostra mensal – Manuscritos: “APÓS TREMOR, FOGO E ÁGUA, A REAL BIBLIOTECA RENASCE”.

blogdabn

[…] Às nove horas da manhã e 20 minutos se sentiu uma

concussão formidável que derrubou a maior parte das

igrejas e um grande número de edifícios, palácios

e casas particulares. Foi acompanhada de um estrondo

horroroso que se julgou sair do centro da Terra, mas que

não era mais que da queda dos edifícios, palácios, etc. Um 

momento depois se viu a cidade em um incêndio universal.

 

         

Dia de Todos os Santos, 01 de novembro de 1755. Naquela manhã, a população de Lisboa, uma das cidades mais católicas do país, se reunia em igrejas, cumprindo ritos de acender velas e rezar. Em torno de 9 horas, a terra começou a tremer, seguindo-se de um incêndio e um tsumani. O fogo ardeu por cinco dias e nem as ondas de cerca de dez metros foram suficientes para apagá-lo. Em torno de 85% das construções…

Ver o post original 356 mais palavras

 
 
 
%d blogueiros gostam disto: